Entra e sente o perfume
das minhas flores...
Obrigada pela companhia e carinho.

Se puderes, envia-me as tuas pétalas e
moldarei novo canteiro neste jardim.

Podes publicar o que quiseres mas referencia este blog ou a sua autora - A_Medusa.

Há imagens que desconheço o autor. Se fores o seu autor avisa-me.

Terça-feira, 2 de Dezembro de 2014

Eu até posava nua...

Se as contas me pagassem
Até o carro e a casa
E tudo o mais que gostassem
Os que se arrastam à asa...

Mas quem sou eu afinal?
Para ter tal regalia...
Estou sujeita a ficar mal
Sem pão-nosso pra cada dia.

Mas há gente que aparece
Com a nudez que veio ao mundo
E da sua honra esquece
E do seu bem mais profundo.

Mas afinal que mal faz
Aparecer em tez sem roupa?
Há tanta gente capaz
E outra que se acha louca.

Mas de forma avantajada
De curvas abastecida
Aposto que não há nada
Que lhe garanta a vida...

A_Medusa


floreado por A_Medusa às 13:23
em flor | a tua pétala aqui | favorito
|
Sexta-feira, 24 de Janeiro de 2014

Doce perfume de mulher

 

Pelo corpo transpirado
De amor que soletrei
Vai meu dedo perfumado
De pólen que derramei.

 

Pólen que tu respiras
No doçura do teu lábio,
Que, no fundo, admiras
Nas letras do alfarrábio.

 

Letras que tu já decoras
Com um beijo assumido
E o ventre me devoras
Com o cerne todo erguido.

 

O cerne de corpo são,
Na planície escancarada;
Uma palmada de mão
Na poltrona devorada.

 

A poltrona das carícias,
Que vais depondo com gosto,
Na escarpa das delícias
Onde o teu sol se quer posto.

 

O sol dá-se em redundância
Como quem ama o luar
Nas paredes da ganância,
Onde te vi galopar.

 

O galope acetinado
Nos lençóis da encarnação
É um viço ostentado
Bafo da satisfação.

 

E abafas o meu céu
Com a manta do prazer,
Ao que chamas de labéu
E eu temo de me perder.

 

Me perder no teu regaço
Nu de palavras dolentes,
Me perder no teu compasso
De margaridas sementes.

 

A semente que depositas
… Adormece na ternura
… Com o teu olhar me fitas
… No perfume que perdura…

 

A_Medusa


floreado por A_Medusa às 12:24
em flor | a tua pétala aqui | pétalas de mimos (2) | favorito
|
Segunda-feira, 2 de Setembro de 2013

poltrona da sílaba

Quem pode pintar a palavra
com a sílaba despida
do desconforto da letra escondida?!

 

Quem pode regar a pétala

desvalida sem cor na (in)certeza de o ser?!

 

Quem pode olhar o vale
e ver a colina entreaberta
da alma?!

 

Enquanto me sento na poltrona

da sílaba incandescente

do teu dedo manso…

 

 

 

A_Medusa


floreado por A_Medusa às 13:39
em flor | a tua pétala aqui | favorito
|
Segunda-feira, 26 de Agosto de 2013

Delírios

 

Delírios

 

Na alçada do meu peito
Há desejo entreaberto
Há o fôlego tão desperto
Na palpação do teu jeito.

 

Na varanda alvoraçada
Da auréola ofegante
Vejo perto delirante
Tua mão toda espalmada.

 

Na alçada e na varanda
Tudo cintila a desnorte
Num lábio quente e forte…

 

E por mim viril comanda
O teu cerne docemente
Num delírio alvo e quente.

 

A_Medusa


floreado por A_Medusa às 13:42
em flor | a tua pétala aqui | favorito
|
Segunda-feira, 11 de Março de 2013

Lava de amor

Sou prisioneira de um tempo reconhecido
Em cada pálpebra que faísca de prazer
Nos retalhos de um lume que quis arder
Na antecâmara do vício que fez sentido.

Sou vagem nua de um tempo adormecido
De aventuras no altar louco do meu ser
Na pedra-mó que a vida então me quis tecer
Lava de amor num corpo de amor tido.

Mirante da palavra, nudez da minha essência
No arco do triunfo da alma em hortência,
Afago cristalino na pele, palco e doçura...

No seio de um corpo prisioneiro de amor
Salpicando emoções no fogo do sabor
Sou lava em flor, lume de branda loucura.

A_Medusa


floreado por A_Medusa às 10:11
em flor | a tua pétala aqui | pétalas de mimos (1) | favorito
|
Terça-feira, 8 de Janeiro de 2013

de basalto enegrecido

de basalto enegrecido
 
  De basalto enegrecido
Com perfume de saudade
Sou assim por ter nascido
Alma lusa de verdade.

Ó meu bem se tu te fores
Diz sempre que vais de cá
Da Terceira, dos Açores,
E melhor que ela não há.

Na Bela Aurora nasci
Voltada para o poente
Que linda que eu te vi
E te vejo no presente.

Na curva do doce beijo
Que poisa em meu parapeito
Acende logo o desejo
Do teu basalto perfeito.

@RS.2013

floreado por A_Medusa às 13:46
em flor | a tua pétala aqui | pétalas de mimos (1) | favorito
|
Segunda-feira, 7 de Janeiro de 2013

Eu só queria...

Eu só queria
a inocência
de uma mão que inicia
a prevalência
da meiguice

no parapeito
de um corpo ondulado
de prazer

 

Eu só queria
a tua mão na minha
o teu peito no meu
no vão que avizinha
o pulsar do teu.

 

Eu só queria
o beijo suave

escorrendo amor
no ventre da paixão
no papo da volúpia
da tua mão.

 

Eu só queria

o vulto do teu vulcão
na alfazema do meu ser
em ebulição
até mais não…

 

Eu só queria
o que tu quiseres
à boquinha sedosa
da palavra
… eu te amo!

 

(dedicado a todos os apaixonados)


floreado por A_Medusa às 13:41
em flor | a tua pétala aqui | favorito
|
Quinta-feira, 3 de Maio de 2012

Eroti_cidade

 

Talvez fosse escrito o teu nome
No seio da labareda
Enquanto que o teto do ciúme
escaldava a mente oculta...

Viajaste em mim
nas colinas e declives mansos
coroados de rompante
pelo tatear da polpa de alguns dedos...

Talvez voltes... não sei... talvez...
Na doçura de algum dia
e na eroti-cidade
do ser...

Talvez...

A_Medusa

floreado por A_Medusa às 16:09
em flor | a tua pétala aqui | favorito
|
Terça-feira, 25 de Outubro de 2011

Arde-me a alma, brasio de paixão...

Imagem da net

 

Arde-me a alma, brasio de paixão
Na madrugada do ser
Que pode o fogo antever
Nas labaredas do coração.

Arde-me o rosto num beijo aceso
Na pálpebra da ternura
Balançando a estrutura
De um corpo indefeso.

 

E eis que a chama do amor
Incendeia a palavra
Que a custo se lavra
Nos lençóis sem cobertor
Onde os corpos já molhados
Se prolongam abraçados
Até ao fogo final
Da labareda carnal.


A_Medusa


floreado por A_Medusa às 13:36
em flor | a tua pétala aqui | favorito
|
Segunda-feira, 24 de Outubro de 2011

De volta para o meu aconchego

O último artigo foi numa Quarta-feira, 23 de Julho de 2008. Há três anos, sensivelmente. Uma eternidade!

 

Estou de volta para o meu aconchego porque ainda existe o perfume da sedução, o prazer da palavra, o afeto da jornada, o cálice do desejo, o beijo da vida, o abraço sem mistério, neste mistério medusiano.

 

A_Medusa voltou para o coração dos seguidores, para o seio dos amadores e para as linhas da sedução que espasma a alma num corpo aberto, pleno de graciosidade.

 

Aqui, como lá, como além, é o corpo da palavra que ganha forma e apetece voar na prontidão do ser, docemente.

 

Imagem daqui...

A_Medusa


floreado por A_Medusa às 21:35
em flor | a tua pétala aqui | favorito
|

********** Obrigada pela visita e comentário**********

medusadinha

Selo do Jardim


Use Ctrl+C para copiar
e Ctrl+V para colar
o selo no teu blog

Bouquet de Flores



Prémio

pétalas novas

Eu até posava nua...

Doce perfume de mulher

poltrona da sílaba

Delírios

Lava de amor

de basalto enegrecido

Eu só queria...

Eroti_cidade

Arde-me a alma, brasio de...

De volta para o meu aconc...

canteiros

Dezembro 2014

Janeiro 2014

Setembro 2013

Agosto 2013

Março 2013

Janeiro 2013

Maio 2012

Outubro 2011

Julho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Março 2006

Pétalas

aniversário

apresentação

berço de ouro

canção dos bloguistas

flores da medusa

flores de outros autores

flores em destaque

flores especiais

histórico

mote

notícias

poesia em rede

sonetos

uma foto por ilha

todas as tags

Dezembro 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


amores-perfeitos

procura uma flor

 

O mote florido






online



Hino à Medusa




Machado de Carlos

Mãos de bronze e cútis de puro ébano.
Em tuas asas de ouro senti a faísca!...
Ignóbil, viajei num mundo fantástico
e em êxtase beijei tua túnica.

Naveguei no Atlântico!... Eram efêmeras
as águas... Renasci nas cinzas de Fênix.
Entre pedras encontrei o Éden,
e, imóvel fiquei com o teu fascínio!

No micro frasco de rara fragrância
estava a Medusa: - Lindo ícone
a confundir o meu ego: Um mistério?!

Mas Zeus destruiu a minha fórmula...
Tremi tresloucado diante da efígie
que dourou a ilusão; um doce eflúvio!...

Carlos,
Ribeirão Preto,
18 de Janeiro de 2006.
17h50

Canto das flores


www.flickr.com
This is a Flickr badge showing public photos from maria69. Make your own badge here.

Outros Jardins ilustrados


Pela Amazónia


Selo pela Amazónia

Clique na imagem para ampliar
in blog Educação Ambiental
blogs SAPO

subscrever feeds