Entra e sente o perfume
das minhas flores...
Obrigada pela companhia e carinho.

Se puderes, envia-me as tuas pétalas e
moldarei novo canteiro neste jardim.

Podes publicar o que quiseres mas referencia este blog ou a sua autora - A_Medusa.

Há imagens que desconheço o autor. Se fores o seu autor avisa-me.

Terça-feira, 25 de Setembro de 2007

Ele / Ela - fazem pensar

Li um texto no blog de Luísa Castel-Branco, num artigo cujo título é:


"Questão de tempo".

Transcrevo um dos comentários:

"(...) O bulício da casa, as noites longas a ouvir as vozes dos filhos só a dizer o nome matriz - Mãe, Mãe!. Tanta coisa por arrumar e lá ia a «Mãe» colocar o desalinho da casa em ordem. Depois de tudo limpo e arrumado vinha à mente a ausência do "Pai". Onde estaria ele àquela hora em que todos estão prontos para colorir-se de sonhos e repouso? Ninguém sabia. Nem os filhos, que há muito não lhe punham a vista em cima como que esquecidos até do talho do rosto, sempre pronto à discussão fosse por que fosse...

Nem era um pai de fim-de-semana, nem de férias (talvez o Natal mexesse com ele e então lá vinha bater à porta para depressa se esquivar não fossem os filhos pedir-lhe alguma coisa), nem perguntava se estavam vivos e saudáveis, nem se a escola ia bem, nem se dormiam, nem se lembravam dele em surdina, para que a mãe não chorasse com a explicação que se via forçada a dar e que explicava, no fundo, a desatenção daquele pai (miserável!).

As horas, os dias, meses e anos iam de corrupio e os filhos cresciam à guarda daquela que, de certeza, ouviu o seu primeiro grito neste mundo... E assim continuava. Ouvia não os gritos mas os olhares saudosos de ter um pai presente...

Um dia, finalmente, houve um "pai" presente. Não era o biológico mas trouxe outros olhares para a mãe que se sentia acarinhada e pronta a enfrentar melhor os dias de ausência de outros barulhos e cheiros. Cheirava a "nova" família. Uma família inteira constituída por todos os membros... Só a sociedade não encara bem estas famílias novas. Um dia talvez entendam o rumo que tudo leva.

Hoje, até se podem matar os filhos de pais "zangados" se tiverem poucas semanas... Antigamente não; Hoje, ainda vão inventar uma maneira de calar todo e qualquer estado desconcertante. Espero que não se lembrem de "matar" os "fantasmas que não deixam impressões digitais" porque já estão mortos.

Desculpe-me o extenso comentário mas ao ler o seu magnífico texto comecei a ver desenhar-se o "outro lado da moeda".

Obrigada por nos fazer pensar. Abraços"

(Autor desconhecido)

**********

Eu comento que gosto dos dois textos porque ambos nos fazem pensar. Quem terá coragem para escrever um texto intitulado: "Filho de pais separados", ou será que já existe?! Vou à procura.


floreado por A_Medusa às 13:48
em flor | a tua pétala aqui | favorito
|
2 comentários:
De isa&luis a 4 de Outubro de 2007 às 09:26
Bom dia,

O texto é uma tema muito actual, penso que hoje em dia se aceita muito melhor pais separados e novas familias.

Um beijo grande para ti

Isa


De gaivotapoesia a 5 de Outubro de 2007 às 00:46
Muito interessante e dá que pensar!
Eu gosto dessa senhora...não tem papas na língua! É como eu...
Até um dia destes.
Boa noite.
Gaivota envia


Comentar post

********** Obrigada pela visita e comentário**********

medusadinha

Selo do Jardim


Use Ctrl+C para copiar
e Ctrl+V para colar
o selo no teu blog

Bouquet de Flores



Prémio

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

pétalas novas

Eu até posava nua...

Doce perfume de mulher

poltrona da sílaba

Delírios

Lava de amor

de basalto enegrecido

Eu só queria...

Eroti_cidade

Arde-me a alma, brasio de...

De volta para o meu aconc...

canteiros

Dezembro 2014

Janeiro 2014

Setembro 2013

Agosto 2013

Março 2013

Janeiro 2013

Maio 2012

Outubro 2011

Julho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Março 2006

Pétalas

aniversário

apresentação

berço de ouro

canção dos bloguistas

flores da medusa

flores de outros autores

flores em destaque

flores especiais

histórico

mote

notícias

poesia em rede

sonetos

uma foto por ilha

todas as tags

Dezembro 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


amores-perfeitos

procura uma flor

 

O mote florido






online



Hino à Medusa




Machado de Carlos

Mãos de bronze e cútis de puro ébano.
Em tuas asas de ouro senti a faísca!...
Ignóbil, viajei num mundo fantástico
e em êxtase beijei tua túnica.

Naveguei no Atlântico!... Eram efêmeras
as águas... Renasci nas cinzas de Fênix.
Entre pedras encontrei o Éden,
e, imóvel fiquei com o teu fascínio!

No micro frasco de rara fragrância
estava a Medusa: - Lindo ícone
a confundir o meu ego: Um mistério?!

Mas Zeus destruiu a minha fórmula...
Tremi tresloucado diante da efígie
que dourou a ilusão; um doce eflúvio!...

Carlos,
Ribeirão Preto,
18 de Janeiro de 2006.
17h50

Canto das flores


www.flickr.com
This is a Flickr badge showing public photos from maria69. Make your own badge here.

Outros Jardins ilustrados


Pela Amazónia


Selo pela Amazónia

Clique na imagem para ampliar
in blog Educação Ambiental
SAPO Blogs

subscrever feeds